Livresco’s Weblog

O que vou lendo por ai…

Armando Esteves Pereira, Director-Adjunto do Correio da Manhã: Diplomas estatísticos

Um dos problemas estruturais de Portugal é o nível baixo de qualificação dos recursos humanos. E nos tempos que correm capital humano sem qualificação é capital muito desvalorizado. Por isso, o programa Novas Oportunidades é uma excelente ideia. A inteligência, a capacidade de trabalho e o saber-fazer são dos raros trunfos que temos para ultrapassar as dificuldades.

Os números dos diplomas do programa mostram o sucesso estatístico desta iniciativa, que ontem até levou o primeiro-ministro a fazer uma corrida de promoção. Mas há legítimas dúvidas sobre se todas as 143 mil pessoas que receberam certificados têm de facto mais qualificação. Há professores que contam que é fácil a um cozinheiro que tem apenas a quarta classe e que é competente na sua profissão ganhar automaticamente um diploma equivalente ao 9º ano só com a apresentação do currículo.

Há pessoas que de facto sabem mais da sua profissão do que outras com uma escolaridade formal mais elevada. E merecem ter uma certificação da sua qualidade, mas neste país de obsessão estatística há o perigo de o desejo oficial de mais qualificação se traduzir na entrega de diplomas sem qualquer valor acrescentado. É uma pena se a excelente ideia das Novas Oportunidades for estragada por um velho truque batoteiro.

Fonte: Correio da Manhã de 18.05.2009

18/05/2009 Posted by | Política: artigos de opinião | , | Deixe um comentário

Manuel António Pina: Doutores ou ainda menos

A propósito do generalizado tratamento de “doutor” em Coimbra, contava-se a história de um barbeiro que, enquanto escanhoava o cliente, metia conversa com ele: “O sr. dr. não é o engraxador que pára lá em baixo na Portagem?” Entretanto todo o país se “coimbrizou” (e o que não se “coimbrizou” está a “bolonhizar-se”) e a piada perdeu-se.

Hoje, no supermercado, devemos dirigir-nos à menina da caixa dizendo: “Pago com Multibanco, sra. dra.”, e à empregada doméstica: “Dra. Irene, sirva o leite-creme”, do mesmo modo que não podemos esquecer-nos de que o lavador de carros pode ser engenheiro pela Moderna ou pela Internacional: “Lavagem completa, sr. engenheiro”. A revista “Sábado” conta a história de um atleta de “taekwendo” que, sem nunca ter feito o ensino secundário, em poucos meses conseguiu, como tantos outros, um diploma “simplex” do 12.º ano nas “Novas oportunidades” e já está a caminho da Faculdade de Medicina. Um dia destes, juntamente com um anestesista também “simplex”, estará a operar o leitor num hospital público, os dois cheios de curiosidade sobre o que haverá dentro de uma barriga.

Fonte: Jornal de Notícias

24/12/2008 Posted by | Política: artigos de opinião | | Deixe um comentário

Expresso: Regressar à escola… pela calada da noite

O primeiro-ministro defende que o “país precisa de regressar à escola”. Não se pode estar mais de acordo com esta necessidade. Mesmo sem a proclamação, sempre se regressa à escola. De vários modos.

A escola pode ser um vício. Depois da escolaridade básica, secundária ou superior, continua a chamar-nos. A atracção, por vezes, é irresistível. Eu não me contentei de andar a pasmar pelo liceu como discente. A ele voltei como docente. Até ficar quietinho, precocemente, a mandar bocas (pseudo) pedagógicas a partir de casa.

Outros, mais afoitos, ficam com o vício de voltar à escola pela calada da noite. Na região Centro, quinze antigos discentes, boa rapaziada certamente, entretinha-se, a horas desavindas, a escalar muros, a partir janelas e portas, a visitar salas de aulas, secretarias, bares de alunos e de professores. Só da Escola Secundária de Soure subtraíram vinte e dois computadores portáteis. Na EB 2,3 de Montemor-o-Velho, outro tanto. Entre impressoras, projectores “datashow” e outro material informático, a recolha era copiosa em muitas escolas dos concelhos de Coimbra, Condeixa-a-Nova, Montemor-o-Velho e Soure. A GNR, através da operação “Monte Mayor” interrompeu esta actividade empresarial dinâmica e lucrativa.

A fome de conhecimento destes antigos alunos, agora a contas com a Justiça, deve ser voraz. A outra fome, mais fisiológica, também. Até duas máquinas de cortar fiambre fizeram suas. Apreciavam queijos, chocolates, refrigerantes. Quando enjoavam o recheio das escolas visitam outros estabelecimentos: lojas e oficinas. Subtraíam tudo o que era vendável ou consumível no mercado negro. O mercado negro à luz do dia fica sempre branco. Tudo legal!

Quando a escola exerce uma atracção tão irresistível, deste cariz, é porque os antigos alunos lá andaram pouco tempo. A fazer das suas. Desatentos no mínimo. Aos desacatos, no máximo. Nem a escolaridade básica obrigatória cumpriram. Provavelmente irão aguardar complemento de habilitações básicas em estabelecimento prisional.

Mas estas quinze boas almas, por enquanto, nem a isto têm direito: estão em liberdade porque não foram apanhados em flagrante delito. Os delitos, por maiores que sejam, nem sempre são flagrantes. Fala-se impropriamente de flagrante injustiça.

O discurso apaziguador habitual dirá que a escola não soube agarrar estes, e muitos outros, antigos alunos que animam as prisões a abarrotar. Ninguém se lembra que estes antigos meninos têm ou tiveram pais. Foram bem educados. E, com ou sem a ajudinha do rendimento social de inserção, continuam devidamente inseridos. A animar as escolas vagas de labor intelectual. E a agitar as madrugadas dos incautos…

LINK

06/08/2008 Posted by | Política: notícias | , , , | Deixe um comentário