Livresco’s Weblog

O que vou lendo por ai…

PJ investiga supeita de serviços fictíticos de consultora aos CTT

Inquirição. Caso remonta ao tempo em que Carlos Horta e Costa liderava os correios
A Polícia Judiciária realizou, na passada semana, uma busca à empresa de consultadoria Heidrick & Struggles. Em causa estão suspeitas de prestação de serviços fictícios, sobretudo o agenciamento de quadros superiores, por aquela empresa à anterior administração dos CTT, liderada por Carlos Horta e Costa. Uma situação já denunciada num relatório da Inspecção Geral Geral da Obras Públicas (IGOP).

Segundo informações recolhidas pelo DN, a judiciária – que está a investigar vários actos da gestão de Carlos Horta e Costa à frente dos CTT – pretende apurar se os serviços cobrados pela Heidrick & Struggles correspondem, efectivamente, aos prestados pela consultora. Por outro lado, pretende-se ainda saber se o recrutamento de quadros superiores através da empresa (que é uma espécie de “caça talentos” da gestão) obedeceram às regras da contratação pública.

Uma situação já denunciada, em 2006, num relatório da IGOP que, além da venda de dois prédios passou a pente fino outros actos de gestão da equipa de Carlos Horta e Costa. A inspecção do Ministério das Obras Públicas Transportes e Comunicações chegou a falar em “fortes indícios” de que houve facturação de serviços nunca prestados.

Mas, numa resposta à auditoria da IGOP, Carlos Horta e Costa e os ex-administradores Luís Centeno Fragoso e Manuel Carrasqueira Baptista refutaram as acusações. Na resposta à inspecção da IGOP, os ex-administradores afirmaram: “A generalidade das escolhas efectuadas pela empresa contratada, em matéria de gestores de alto nível, revelou-se acertada com grande benefício para os CTT já que se incrementou a eficiência, a produtividade e a qualidade dos serviços prestados”. Foi desta forma que a anterior administração procurou justificar as contratações externas de quadro superiores.

Quanto à suspeita de prestação de serviços fictícios, a anterior administração (que exerceu funções entre 8 de Julho 2002 e 31 de Maio 2005) declarou: “Basta atentar na estrutura de recursos humanos, nos níveis mais elevados de gestão, que dispunham os CTT na altura em que o Conselho de Administração cessou funções, para afastar tal insinuação”.

A investigação que a PJ tem em curso pretende ainda analisar outros actos de gestão da equipa liderada por Carlos Horta e Costa passíveis de configurarem um crime de gestão danosa. Aquisição de viaturas, prémios de produtividade, despesas com acções de formação internas, sobretudo uma relacionada com o pagamento de cerca de 20 mil euros ao ex-seleccionador nacional Luís Filipe Scolari – são outros assunto abordados pela investigação.

Em declarações ao DN, Rafael Nora, que juntamente com Nuno Vasconcelos é responsável pela Heidrick & Struglles e, através da Ongoing, são accionistas de referência da PT e controlam o Diário Económico, afirmou que foi prestada toda a colaboração à PJ. “Já há dois anos enviámos documentos à Inspecção do Ministério e ao DIAP. Somos uma multinacional com controlo apertado nos procedimentos”, diz Rafael Nora, recusando qualquer suspeita.

Ao que o DN apurou, nenhum elemento da anterior administração foi constituído arguido no inquérito. O que, segundo fonte próxima da mesma, pode acontecer nos próximos tempos, tendo em conta que a PJ está já na fase final da investigação.

Fonte: Diário de Notícias

Anúncios

16/12/2008 Posted by | Política: notícias | , | Deixe um comentário

A máfia no seu melhor…: Frota dos CTT entregue a Grupo BPN apesar de mais cara

Solução anterior também era menos onerosa
Os Correios entregaram a sua frota, com cerca de 3 mil viaturas, ao Grupo SLN (Sociedade Lusa de Negócios, até aqui dono do BPN), em 2005, apesar deste ter apresentado o valor mais elevado, altura em que a empresa era gerida por Carlos Horta e Costa, revelam os documentos a que Agência Financeira (AF) teve acesso.

O Grupo SLN pediu 15,4 milhões de euros para fazer esse aluguer operacional de veículos (AOV) num horizonte de 5 anos, considerando a retoma da frota e custos directos e indirectos. Um valor que, de acordo com o mesmo relatório, ficava acima do que era gasto pelos próprios CTT e que rondava os 12,3 milhões de euros.

A empresa recebeu ainda propostas da Europcar, Leaseplan, ALD, Arval, Finlog, Banif e Classis, mas estas últimas não foram tidas em conta por não ter sido considerada a retoma da frota CTT.

No entanto, segundo o mesmo relatório a que a AF teve acesso, «o nível das propostas recebidas é na generalidade muito fraco na medida em que não responde de forma precisa à maioria das condições incluídas no caderno de encargos dos CTT».

Leaseplan com melhor proposta

Aliás, de acordo com o mesmo, a Leaseplan «é a única proposta credível na medida que assume de forma explícita uma resposta ao caderno de encargos» e cujo valor se situava abaixo do Grupo SLN, já que pedia 15,1 milhões de euros.

«A proposta da Leaseplan apresenta custos inferiores aos da proposta da SLN e que a solução actual CTT tem custos inferiores aos do AOV», acrescenta.

Mesmo assim, o mesmo relatório indica que a empresa, na altura dirigida por Horta e Costa, ficaria prejudicada por avançar com esta gestão de frotas. «Tendo em conta a falta de credibilidade técnica da quase totalidade das propostas e os resultados das análises económicas efectuadas», o responsável pelo relatório considera que, «face às actuais opções do mercado, a solução AOV não constitui uma situação interessante para os CTT, sendo de salientar que o diferencial de custos irá aumentar no tempo à medida que o efeito venda da frota se vai diluindo», conclui.

Recorde-se que, o ministério de Mário Lino realizou uma auditoria à gestão de Horta e Costa, no final de 2005, altura em que o mesmo terminou o mandato e foi sucedido por Luís Nazaré. Na altura, Horta e Costa foi acusado de «indícios de má gestão» ou de «legalidade duvidosa» em vários actos.

A Agência Financeira entrou em contacto com os CTT mas a empresa não quis comentário este negócio.

Fonte: Agência Financeira

11/12/2008 Posted by | Política: notícias | , , | Deixe um comentário