Livresco’s Weblog

O que vou lendo por ai…

Este é o Portugal do choque tecnológico socratino…: Investigadora da “patente mais cobiçada do mundo” sem empresas parceiras em Portugal

Inventora lusa do transístor em papel teve de recorrer a papeleira brasileira para desenvolver investigação

Recebeu o primeiro prémio do European Research Council na área das Engenharias e Ciências Físicas, é uma das cinco melhores investigadoras em electrónica transparente a nível mundial e já ultrapassou Cristiano Ronaldo na lista de portugueses mais citados na Internet. Elvira Fortunato tem em mãos “a patente mais cobiçada do mundo”, a dos transístores em papel, que pode revolucionar tanto a electrónica como o paradigma das publicações em papel, fazendo jornais e revistas com imagens em movimento. Mas a indústria portuguesa ou radicada em Portugal nunca se mostrou interessada nos seus projectos.
Quando ontem foi homenageada na Assembleia da República com um voto de congratulação aprovado por unanimidade, a investigadora da Universidade Nova de Lisboa não escondeu ao PÚBLICO a sua decepção face ao país de onde tem resistido sair: “Portugal é muito grande, os portugueses é que são pequeninos”.
Elvira Fortunato e Rodrigo Martins – ela directora do Centro de Investigação de Materiais, ele catedrático da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNL – contam o que têm em mãos. Tudo começou em 2004, quando inventaram óxidos amorfos, com ingredientes de protectores solares e pomada Hallibut, para criar semicondutores à temperatura ambiente para substituir o silício.
Em 2005, candidataram este projecto ao programa europeu FP6 e foi recusado. Solicitaram à Qimonda que “tentasse apanhar a ideia”, mas ouviram um “não” como resposta. Foi a Samsung quem financiou o projecto que culminou, em 2008, com o registo da patente internacional. “Os ecrãs planos do futuro vão ter um dedo português”, frisa Elvira Fortunato, agora com um contrato de quatro anos com a LG para desenvolver ecrãs invisíveis.
Os investigadores passaram a explorar outros materiais para o fabrico de transístores, desta vez para substituir o vidro como isolante. Começaram pelos materiais cerâmicos comuns e chegaram ao papel, abrindo horizontes à imaginação. O júri da maior bolsa de investigação científica europeia considerou que as suas aplicações permitem criar “um novo campo da electrónica transparente que poderá colocar a Europa como líder nesta nova tecnologia”.
Elvira Fortunato gostava que esta descoberta fosse rentabilizada por um consórcio de indústria portuguesa. Mas quando procurou papeleiras portuguesas para parceiras na investigação, viraram-lhe as costas. A parceria foi para a brasileira Suzano. Recebeu grandes ofertas de multinacionais mas acabou por ser a UNL que “pegou no projecto”, mantendo para já a inteligência em Portugal. Resta saber até quando.

Fonte: Público de 14.03.2009

Anúncios

14/03/2009 - Posted by | Política: notícias |

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: