Livresco’s Weblog

O que vou lendo por ai…

Manuel António Pina: O candidato fenomenológico

Eu, quando for grande, quero ser como o dr. Pedro Passos Coelho, cantar ópera, entrar em “castings” de La Feria e ler “autores existencialistas que problematiz(am) matérias sobre as quais também me interrog(o)”.

Na última entrevista de Pedro Passos Coelho ao “Público”, em que desnuda as suas mais pudendas partes intelectuais, descubro porque é que nunca serei candidato a coisa nenhuma. A culpa não é minha, é das más companhias. Enquanto, nos tenros anos juvenis, eu acompanhava com Tintin, Litle Nemo, Spirit, Lil’Abner e Dick Tracy (e o pior é que ainda acompanho), Passos Coelho mergulhava nas profundezas de Voltaire; enquanto eu me emocionava com as viagens de Gulliver e de Nils Holgersson, ele reflectia sobre “A fenomenologia do ser”, de Sartre. E não adianta Pacheco Pereira desenganar-me dizendo que Sartre nunca escreveu tal obra, porque eu também a li. “Mais tarde”, como Pedro Passos Coelho fez com Kafka, mas li. A “A fenomenologia do ser” e “As mãos e os frutos” (ou seria “As mãos sujas”?); é, se não me engano, onde Sartre “problematiza” a privatização das caixas gerais de depósitos.

Fonte: Jornal de Notícias de 25.02.2009

25/02/2009 - Posted by | Política: artigos de opinião | ,

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: