Livresco’s Weblog

O que vou lendo por ai…

Editorial do JN de 30.01.2009: A realidade de Sócrates em termos substantivos

José Sócrates voltou a falar ao País no dia em que foi conhecido o comunicado da Procuradoria-Geral da República (PGR) e o Diário de Notícias teve acesso ao conteúdo da carta rogatória que o Departamento de Investigação de Fraudes Graves (Serious Fraud Office) da polícia inglesa enviou ao Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP).

Como é público, a PGR confirmou a recepção da carta rogatória (a 19 de Janeiro p.p.) e informou que estão “neste momento a ser efectuadas perícias pelo departamento competente da PJ sobre diversos fluxos bancários”, sendo que a carta “irá ser cumprida, de acordo com a Convenção sobre Cooperação Internacional em matéria penal, como tem acontecido durante a investigação”.

José Sócrates – confirma-se – é um dos quatro cidadãos portugueses sobre os quais é pedida informação porque “são considerados sob investigação por terem solicitado, recebido ou facilitado pagamentos” no âmbito do chamado caso Freeport.

A primeira explicação aos leitores é esta: a Direcção do DN decidiu publicar o conteúdo da carta rogatória porque o considera uma peça importante no sentido da compreensão deste delicado processo que agita a vida pública portuguesa.

A partir de agora, todos os nossos leitores podem reflectir individualmente sobre o que está em causa e tirar as suas próprias conclusões de forma objectiva.

Um documento com este grau de delicadeza, ainda para mais vindo do estrangeiro (e que, no dizer da PGR, “não contém nenhum facto juridicamente relevante”), não deve apenas ser filtrado para a opinião pública por citações avulsas. Cremos que o jornalismo substantivo se faz do conhecimento de peças completas como esta.

O leitor avaliará e formará a sua própria opinião, ficando mais capaz para processar e interpretar toda a informação conhecida até agora e que, provavelmente, conhecerá outros desenvolvimentos.

O DN não tem nada a acrescentar aos lugares-comuns com que nestes momentos se defendem os cidadãos de eventuais suspeitas.

Enquanto a justiça faz o seu trabalho (como ontem explicou a magistrada Cândida Almeida numa importante entrevista a Judite de Sousa, na RTP), o que há para apreciar são as condições objectivas com que o primeiro-ministro pode continuar a exercer o mandato que lhe foi maioritariamente confiado pelos portugueses.

Como se viu ontem, em mais uma intervenção pública específica sobre este caso, José Sócrates considera que este “é um teste de resistência” contra uma “campanha negra” que lhe estará a ser movida “por poderes ocultos”.

O primeiro-ministro promete luta, mas a verdade é que neste momento o tempo parece correr contra ele. Cada dia que passa tem estado a aumentar a pressão, até sobre o colectivo do Governo.

Uma figura pública não consegue estar sob suspeita durante muito tempo sem com isso pagar o mais alto preço: o da desconfiança, que mina as condições políticas para o exercício do cargo.

Neste aspecto, José Sócrates vai passar a sua prova mais difícil, pessoal e política, estando estas duas vertentes absolutamente interligadas. Se ganhar a guerra da honorabilidade no julgamento de cada um dos cidadãos, pode resistir e pensar nas próximas vitórias eleitorais que as sondagens pareciam colocar ao seu alcance. Caso contrário, 2009 vai ser um ano surpreendente.

Fonte: Jornal de Notícias de 30.01.2009

Anúncios

30/01/2009 - Posted by | Política: artigos de opinião |

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: