Livresco’s Weblog

O que vou lendo por ai…

Fernando Ulrich – líder do BPI: “Governo reagiu mal à pressão mediática”

Fernando Ulrich diz que o primeiro-ministro e o ministro das Finanças não aguentaram a pressão e lançaram um conjunto de críticas “injustas” aos bancos. E avisa: nem todos os grandes projectos são financiáveis

Uma semana depois de o Governo ter vindo pressionar a banca para que financie a economia, o líder do BPI responde ao Governo. Fernando Ulrich explica quais os grandes desafios por que passa actualmente a economia nacional.
O primeiro-ministro (PM), José Sócrates, e o ministro das Finanças (MF), Teixeira dos Santos, têm razão quando ameaçam a banca de lhe retirar a garantia estatal por não
conceder crédito?
Neste momento, o único banco a que o Governo pode tirar a garantia do Estado é a Caixa Geral de Depósitos (CGD), que foi o único que a utilizou. Mas essa é uma questão interna entre o Governo e o seu banco. Esta crise é muito séria e vai demorar tempo a ser ultrapassada e o que é necessário é que haja uma concertação de esforços dos principais responsáveis, seja dos líderes do Governo, da oposição, das empresas ou dos bancos. Todos temos que estar disponíveis para nos sentarmos à volta da mesa e discutir quais são as melhores soluções. Não vejo nenhuma vantagem em andarmos a atirar pedras uns aos outros. Isso não vai ajudar a resolver os problemas.
Tudo se resume a uma pedra atirada aos bancos?
O Governo tem reagido bem ao procurar encontrar soluções para os problemas no quadro europeu. Mas, nos últimos dias, líderes de opinião e pessoas com especial responsabilidade têm feito declarações injustas.
Está a falar de quem?
Do dr. Mário Soares, do dr. Jorge Sampaio, do eng.º Belmiro de Azevedo e do dr. Henrique Granadeiro. Tenho grande admiração por todos, mas lamento que tenham dito certas coisas, porque não ajudam.
Não sabem do que estão a falar?
Perante esta pressão mediática, muitos líderes de opinião e políticos e até membros do Partido Socialista, como o dr. Manuel Alegre, não reagiram da melhor maneira. E todos foram infelizes, quer mesmo o PM, quer o MF. A sugestão que faço é que se fale menos e que, sobretudo, não atiremos pedras uns aos outros. Mas recuso-me a assumir o papel de banco ofendido e responder, apesar da oportunidade que me dá, a essas afirmações, pois essa é a pior atitude que podemos ter. Se há problemas, sentemo-nos à mesa e encontremos as soluções.
Num quadro de crise como este, José Sócrates e Teixeira dos Santos, que sabem exactamente o que se passa, falam sem fundamento ao criticar a banca? Ou falam com ignorância?
Nem é por ignorância, nem por má-fé. Pelo stress a que devem estar submetidos, reagiram mal à pressão mediática que surgiu por parte da opinião pública e de vários quadrantes da sociedade.
O PM e o MF podem ser permeáveis a pressões?
Foram infelizes e reagiram mal à pressão mediática.
Como explica que dois ex-Presidentes da República se tenham pronunciado nos termos em que o fizeram?
Têm por base preconceitos ideológicos. E no caso de algumas associações empresariais há mesmo uma atitude negocial.
O Governo também já acusou a banca de usar o dinheiro levantado por via do aval do Estado para realizar operações de saneamento interno…
Essa afirmação é muito infeliz. Só a CGD, que é pública, é que utilizou o aval do Estado. Mas o que é importante sublinhar é que Portugal tem um défice da Balança de Transacções Correntes (BTC) muito significativo, pois compramos muito mais ao exterior em bens e serviços do que vendemos. Ora é esse défice que tem que ser financiado. E ainda temos dívida que quer os bancos, quer a República contraíram no passado [de quase 20 mil milhões de euros] e essa dívida tem que ser refinanciada todos os anos.
É a sua maior preocupação?
Portugal é um dos países com um dos maiores défices da BTC do mundo. Quer em percentagem do PIB, quer em valor absoluto. O país com maior défice da BTC é os EUA, o segundo é a Espanha. E Portugal está nos dez primeiros. E o desafio é este, pois financiar este défice vai ser muito mais difícil do que foi até aqui. E pode até não ser possível.
E se não for possível?
Terá consequências negativas quer nos programas de investimento que queremos fazer em Portugal, quer no nível de vida dos portugueses. A necessidade de financiar um dos défices da BTC maiores do mundo e de refinanciar a dívida que emitimos no passado é a questão central. Em condições do boom financeiro dos últimos dez anos era facílimo, em condições da actual crise de crédito é muito complicado. Portugal, nas emissões internacionais de obrigações da República, que têm associado o melhor rating que existe, antes de começar a crise financeira pagava 0,2 por cento a mais do que a Alemanha. Neste momento as obrigações a 10 anos emitidas pela República já pagam mais um por cento do que a dívida alemã. Este é um sinal claríssimo do como o mercado está a fazer a selecção dos vários países. Na Grécia a situação ainda é pior, pois paga mais de dois por cento a mais do que a Alemanha, quando há um ano pagava mais 0,3 por cento, enquanto a Espanha paga quase tanto como Portugal, e a Itália e a Irlanda, que há um ano pagavam o mesmo que Portugal, agora até pagam mais. O mercado está a penalizar os países do Sul da Europa, e também a Irlanda, exigindo-lhes um preço cada vez maior para os financiar. O problema está muito para além dos bancos.
O economista Campos e Cunha diz que os grandes projectos vão absorver recursos que deveriam servir para financiar as PME.
Numa situação de crise e de recessão económica, os governos tendem a estimular a economia e o investimento. Mas esta atitude voluntarista pode não ser suficiente, pois alguns destes grandes projectos podem não ser financiáveis. Ninguém pode garantir que vai haver financiamento, nem mesmo o Tesouro. Admito que alguns dos grandes projectos venham a ter que ser repensados. Poderá não ser possível executar todos, pois poderá não haver resposta dos mercados.
Os bancos estão a cortar o crédito às PME?
As PME são um segmento a que os bancos atribuem grande prioridade comercial, pois são clientes interessantes do ponto de vista da racionalidade económica e da lógica do negócio. Os bancos mais facilmente preferem escusar-se a financiar alguns dos grandes projectos do que prejudicar as PME. Uma vez acabadas as grandes obras, estas não trazem mais negócio. As PME estão cá sempre, são permanentes, têm negócio recorrente, temos o negócio do dono da PME, dos empregados. É uma actividade muito importante para os bancos.
Fernando Ulrich comenta entrada de empresa angolana no capital do BPI

Fonte: Público

Anúncios

23/12/2008 - Posted by | Política: notícias | ,

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: