Livresco’s Weblog

O que vou lendo por ai…

Baptista-Bastos: VÃO BATER A OUTRA PORTA!

Na semana que passou fui copiosamente nomeado. Não por ter editado um novo livro. Não por ter escrito um rude artigo contra alguém, ou um elogio a quem o mereceu. Apenas porque, há 11 anos, sou inquilino da Câmara Municipal de Lisboa. As “notícias” vindas a lume traem o étimo da palavra: nenhuma novidade comportam. Por três ou quatro vezes, em crónicas amenas, confessei-me arrendatário municipal, como outras dezenas, senão centenas, de pessoas. E há os ateliês dos Coruchéus; os de Belém. Cedidos, como em toda a Europa, a artistas, que não vivem propriamente na penúria. Sem esquecer o Bairro dos Jornalistas, em Alfragide, construído com grandes apoios municipais. Durante umas outras eleições municipais, um sisudo e monótono semanário quis saber do assunto. Embora preserve, com feroz esmero, a minha vida privada, esclareci a senhora que perguntava. Repetiu-se, agora, a dose. Habituei-me à manipulação (porque de manipulação se trata), tocado da leve rabugice que a reincidência me provoca e a idade justifica. O que se publicou está eivado de inexactidões, de omissões e de insídia. Este jornalismo húmido e pegajoso mais parece um livro de encargos sujos do que a função de origem. Um só facto: o meu senhorio é, realmente, o Município. De resto, nada de ilegal, nada de imoral. E muito menos a retribuição de “pequenos favores”. Há homens que arrastam consigo a polémica ou a ignomínia. Pertenço ao primeiro grupo. E de ignomínias possuo uma lista cada vez mais acrescida. Como o registo das coisas acompanha sempre o sentido das intenções – sei muito bem de onde e de quem partem estas periódicas atoardas. Ser livre é muito difícil.

O apartamento foi-me atribuído após inspecção dos técnicos à minha casa, em Alfama, onde vivi 32 anos. Chovia no interior, paredes rachadas, perigos vários. Procederam, outros técnicos, ao varejo cuidadoso dos meus réditos de então. Escassos: eu estava desempregado. Abandonara o jornalismo, ou o jornalismo abandonara-me em 1990. O contrato assinalava que a renda aumentaria consoante os ritmos da inflação. Devo dizer que faço estas confidências com pudor e escrúpulo. Porém, torna-se imperioso que não deixe aos acasos das contingências as evidências da razão. Conheço os perigos que a minha actividade comporta. Tenho sido, certamente, injusto, áspero e, até, insensato. Mas escrever ou ter comportamentos moralmente reprováveis – conscientemente, creio que nunca. No extremo cume da extrema percepção, é-me difícil exprimir, por outro meio que não este, a indignação causada pela abjecta orientação ad hominem da atoarda. Faço uma representação do mundo que, naturalmente, me é muito própria. E não abdico de convicções. Há quem altere o prisma, para adoptar novos modos de vida. Como não pertenço a esse agrupamento, recomendo: Vão bater a outra porta! É tudo.

LINK

Anúncios

01/10/2008 Posted by | Política: artigos de opinião | , | 3 comentários

Manuel António Pina: Aprendam connosco

Tão interessante politicamente como o terramoto que, com epicentro na Wall Street e no capitalismo de casino, abala o sistema financeiro mundial, foi a réplica de segunda-feira na Câmara de Representantes. O “Plano Paulson”, de usar 700 mil milhões dos contribuintes para salvar especuladores que apostaram forte de mais (e o que não era deles) e perderam, tinha o apoio dos líderes republicanos e democratas, de Obama e de McCain. A situação era “gravíssima”, de “emergência nacional”; impunha-se, disse-se emocionadamente, o voto unânime. E o que aconteceu?

Os congressistas fizeram o inconcebível, pensaram (ó escândalo!) pela sua cabeça e… votaram “não”. A democracia americana tem muito que aprender com a nossa. No Parlamento português, em situações de “emergência nacional” como o casamento entre pessoas do mesmo sexo (ou de “emergência eleitoral”, do PS ou de outro partido), os deputados votam obedientemente, sem perguntas e em boa ordem, onde o chefe manda. Em caso contrário, nas próximas eleições ficam fora das listas e têm que ir trabalhar. Digo eu, que sou, como eles dizem, um demagogo.

LINK

01/10/2008 Posted by | Política: artigos de opinião | | Deixe um comentário