Livresco’s Weblog

O que vou lendo por ai…

Concordo…o Parlamento que faça o Trabalho de Casa – principalmente a maioria que nos (des) governa – como é que é possível aprovar documentos que ferem a Constituição e depois ainda se armarem aos cucos? Foi um desrespeito total pela Democracia – é o que dá os tiques fascistas: Estamos na Europa ou no terceiro mundo?

PÚBLICO: Ramalho Eanes sai em defesa do Presidente da República sobre Estatuto Político dos Açores

Ramalho Eanes colocou-se ontem ao lado das preocupações levantadas pelo Presidente da República sobre o novo Estatuto Político-Administrativo dos Açores, subscrevendo os alertas deixados por Cavaco Silva na comunicação que fez ao país sobre o equilíbrio de poderes, consagrado constitucionalmente. “O conteúdo foi certo e oportuno”, declarou o ex-
-chefe de Estado, numa entrevista à SIC-Notícias, criticando os deputados pelo “atropelo” às normas constitucionais
.

“É pouco razoável e surpreendente que a Assembleia da República, que deve respeitar a Constituição, tenha aprovado o diploma”, afirmou Eanes, depois de lembrar que Mota Amaral tinha advertido, em sede de debate na especialidade, para essa circunstância. Ao contrário de Mário Soares, que esta semana censurou a intervenção presidencial qualificando-a como “inoportuna e pouco feliz” por entender, designadamente, que a questão se deveria ainda dirimir na esfera parlamentar, Eanes fala da “obrigação fundamental” de o Presidente alertar o povo para “uma questão grave que tem a ver com o regime”. “É um problema de confiança e de estabilidade política do país”, insistiu.
Advertindo para o facto de as autonomias regionais terem sido estabelecidas para “reforçar o Estado português e garantir a sua unidade”, o ex-chefe de Estado admitiu que possam evoluir, mas deixou um aviso: “Todas as medidas que possam criar ambiguidade sobre o Estado unitário e derivas autonómicas são preocupantes”.
Já Vasco Cordeiro, o dirigente do PS açoriano que censurara Cavaco Silva por “ter uma visão centralista e redutora das autonomias regionais”, acusou ontem o Presidente de ter contribuído para “adensar um clima latente de desconfiança e suspeição em relação aos Açores”. “Injusta e injustificadamente”, escreve num artigo publicado no jornal Açoriano Oriental, citado pela Lusa. Ao contrário do líder do PS, Alberto Martins, que recebeu “sem dramatismos” a comunicação presidencial e as deliberações do Tribunal Constitucional (que chumbou oito normas do diploma), Vasco Cordeiro fala de “um exemplo perfeito de um mau serviço prestado à causa da unidade nacional”.
O antigo Presidente da República Ramalho Eanes criticou o Parlamento por ter aprovado o estatuto

LINK

Advertisements

09/08/2008 - Posted by | Política: notícias |

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: